Para a mulher, o nascimento do seu filho pode ser considerado um momento importante do processo de transição para a maternidade, porque é o quando a mãe e bebê vão, enfim, se encontrar frente a frente, deparando-se com o bebê real, que gestou por 9 meses, e que provavelmente será diferente do tão sonhado bebê imaginário, idealizado durante a gestação.

Também é o momento em que mostrará para o mundo sua capacidade ou incapacidade feminina de gerar uma criança, de pôr à prova sua competência feminina de gerar, sua competência materna de cuidar, suportar as dores,  cansaço, noites sem dormir, amamentar, presenciar os primeiros sorrisos…

Entretanto, o parto não é um evento simples…

Por mais que seja um momento emocionante, ele pode ocasionar níveis altos de ansiedade, medo, excitação e expectativa exacerbada. Estima-se que entre 70 e 80% das novas mães apresentam alterações de humor nesse período.
A depressão pós-parto é uma destas alterações que causa, entre outros sintomas:

  • Humor deprimido ou mudanças de humor severas;
  • Choro excessivo;
  • Dificuldade de desenvolver uma ligação amorosa com o bebê;
  • Afastamento da família e dos amigos;
  • Alterações no apetite (falta de apetite ou comer muito mais do que o habitual);
  • Incapacidade de dormir (insônia) ou dormir demais (hipersônia);
  • Perda de energia;
  • Redução do interesse e prazer nas atividades que a mãe costuma realizar;
  • Intensa irritabilidade e raiva;
  • Medo frequente de não ser uma boa mãe;
  • Sentimentos de inutilidade, vergonha, culpa ou inadequação;
  • Diminuição da capacidade de pensar com clareza, concentrar-se ou tomar decisões;
  • Ansiedade grave e ataques de pânico;
  • Pensamentos relacionados a prejudicar a si mesma ou ao bebê;
  • Pensamentos recorrentes de morte ou suicídio, entre outros.

“A depressão pós-parto é bem mais séria do que uma melancolia passageira. A grande maioria das mulheres sente -se triste nas primeiras duas semanas depois do parto, no chamado blues puerperal, mas é uma melancolia que aos poucos cessa sozinha. A depressão acaba permanecendo por mais semanas, dificultando assim o relacionamento e vínculo da mãe com o seu bebê”, afirma a psicóloga Natália Pesce de Freitas, voluntária do Horas da Vida.

Tratamento

Uma vez detectada a depressão pós-parto, o tratamento é essencial para que se possam prevenir consequências biológicas e psicológicas desfavoráveis, tanto para a mãe e para a criança, como para a família como um todo. “Por isso, é importante que, ao detectar qualquer sintoma, procure um psicólogo, pois, há um risco de a doença se prolongar, agravando os sintomas e desencadeando novos sintomas”, destaca.

Fonte: Natália Pesce de Freitas, psicóloga

 

×